Procurar Um Cão Desaparecido

A distância que os cães percorrem depende em grande medida da distância que as suas patas lhes permitem andar. Por exemplo, cães fortes, especialmente se forem novos, podem percorrer oito quilómetros ou mais num único dia. Contudo, a maioria dos cães é recuperada num raio de três quilómetros de casa, especialmente porque os cães não costumam percorrer largas distâncias em linha recta, independentemente da sua força ou rapidez.

Cão DesorientadoDesenhe mentalmente um círculo em volta do local onde o seu cão desapareceu. Pense nos locais dentro desse círculo para onde ele provavelmente se deslocaria em procura de companhia, conforto ou comida. Um jardim ou um parque onde vá regularmente? Uma escola? Uma casa onde o seu cão costume receber guloseimas ou tenha um amigo? Por exemplo, se se tratar de um cão sociável e confiante, ele irá procurar outros cães e outros humanos que sejam amigáveis e que provavelmente o confortem, alimentem e abriguem. Jardins e parques públicos são locais que ele pode procurar. Pelo contrário, se se tratar de um cão tímido e mais idoso que não confie em estranhos, ele irá esconder-se. Bons locais para isso podem ser arbustos, um local ermo ou até mesmo debaixo de um carro.

Nos casos de cães desaparecidos, a ajuda de terceiros é quase sempre essencial. Pense em todas as pessoas que vivem dentro do círculo, pessoas que passem tempo fora de casa e que seja provável repararem num cão na rua. Pense nas pessoas que percorrem as ruas como parte do seu trabalho, pessoas que você não conhece e que não o conhecem a si. Peça a todas elas que o ajudem a encontrar o seu cão. Quanto mais pessoas estiverem envolvidas na procura pelo seu cão, maiores serão as probabilidades de o encontrar. Com as sugestões abaixo, pretendemos oferecer-lhe algumas linhas de orientação na busca do seu cão. As primeiras horas após um desaparecimento são vitais, pelo que é essencial rapidez. Submeta logo um anúncio e passe à acção no terreno. Esperamos que estas indicações o ajudem.

  • Percorra as proximidades do local de desaparecimento! Percorra a pé ou de bicicleta as proximidades do local de desaparecimento. Pergunte aos moradores locais e a outras pessoas que frequentem habitualmente a zona (lojistas, carteiros, funcionários camarários de limpeza) se viram o seu cão. De preferência, leve consigo um familiar ou amigo. Fale com todas as pessoas que encontrar e tente envolver as crianças da vizinhança na procura (as crianças podem ser óptimas a encontrar animais). Se tiver outro cão e ambos os animais se derem bem, se tal for viável, leve-o consigo nas suas caminhadas. À medida que os dias forem passando, o raio de busca deverá ser aumentado.
  • Faça barulho! Os animais podem ouvi-lo a grandes distâncias. Chame continuamente o nome do seu cão. Se ele tiver um brinquedo com gizo/apito, leve-o consigo e utilize-o para fazer ruídos familiares. Leve também consigo uma caixa dos biscoitos favoritos do seu cão e abane-a alto e bom som enquanto chama o nome do seu cão. Faça outros barulhos que lhe sejam familiares. No entanto, é importante parar regularmente, manter silêncio e ouvir se o seu cão faz algum barulho em resposta. Os vizinhos/transeuntes irão pensar que é maluco, mas estamos a falar da vida do seu cão!
  • Cão SedentoLeve uma lanterna com luz forte, bem como coleira e trela! Além de peitoral e trela, mesmo durante o dia, leve consigo uma lanterna para procurar em locais com pouca luz. Um cão assustado ou magoado poderá esconder-se em locais resguardados e não irá ter consigo. Além de procurar em locais mais escuros, procure também em arbustos, valetas, debaixo de carros, barracões, aterros, contentores, garagens, terrenos baldios, casas devolutas ou em construção, etc.
  • Aborde os frequentadores da zona! Pergunte aos moradores locais, a pessoas que estejam a passear com os seus animais e a outras pessoas que frequentem habitualmente a zona (lojistas, carteiros, taxistas, funcionários de limpeza) se viram o seu cão e entregue-lhes um folheto pedindo-lhes que fiquem atentos a cães com as mesmas características. Se possível, leve consigo um familiar ou amigo para ajudar.
  • Publique aqui um anúncio de animal desaparecido! Sem demoras, submeta um anúncio para que o seu cão fique registado na nossa base de dados de animais desaparecidos e para que os restantes utilizadores sejam notificados acerca do desaparecimento. Outra vantagem é que fica logo disponível um folheto optimizado de divulgação. Os folhetos de Encontra-me.org incluem uma faixa de tiras de contacto, o que permite que qualquer pessoa interessada em ajudar retire uma tira com o n.º de telefone, aumentando-se assim as pessoas "envolvidas" na procura (depois de impressos os folhetos, é conveniente que dê pequenos cortes com a tesoura ao longo do tracejado). Tenha o cuidado de inserir informações que possam ajudar terceiros na eventualidade de avistarem o seu cão – por exemplo, indique se o seu cão é sociável ou se, pelo contrário, não convém tentar agarrá-lo (pois tal poderá afugentá-lo ainda mais). Ao descrever o seu cão, oculte uma ou duas características identificadoras (uma particularidade física ou a cor da coleira, por exemplo) e nunca divulgue um número de microchip ou a inscrição de uma tatuagem. Esta medida é essencial para evitar fraudes ou tentativas de burla.
  • Afixe e distribua os folhetos! Esta é uma medida absolutamente indispensável em casos de desaparecimento. Se não divulgar o desaparecimento do seu cão através de folhetos, estará a comprometer seriamente o seu regresso a casa. Em todas as buscas pelo seu cão, vá afixando e distribuindo folhetos com fotografia. É extremamente importante afixar folhetos no raio de, pelo menos, dois quilómetros do local de desaparecimento. À medida que os dias forem passando, esse raio deverá ser aumentado. Peça também para colocar um folheto em locais como padarias, mercearias, cafés, clínicas veterinárias, minimercados, quiosques com serviço de apostas e lotaria, bombas de gasolina, farmácias e outros pontos estratégicos. Examine os folhetos frequentemente e substitua os que tiverem sido retirados ou danificados (infelizmente, muitos folhetos desaparecem em menos de 24 horas). É também aconselhável entregar um folheto a carteiros, agentes de polícia, taxistas, motoristas de autocarro e funcionários camarários de limpeza, pois são pessoas que percorrem as cidades diariamente. Para uma divulgação em menor escala, se a sua impressora tiver essa funcionalidade, poderá configurá-la para imprimir 4 exemplares do folheto numa folha A4.
  • Cão EnlameadoNão descarte nenhuma pista! Se receber informações sobre um animal muito semelhante ao seu, não descarte essa pista apenas com base na distância ou em factores como a ausência/presença de coleira ou microchip, por exemplo. Um animal pode aparecer a muitos quilómetros do local de desaparecimento por ter sido recolhido por alguém que estivesse de passagem e more longe, por ter sido logo dado para adopção por quem o encontrou ou até ter seguido dentro de um carro (infelizmente, algo comum no caso dos gatos). Um animal que tenha desaparecido sem coleira pode entretanto ter coleira (pode ter sido recolhido por alguém que lhe pôs coleira e ter voltado a fugir) e um animal que tenha desaparecido com coleira rapidamente pode ficar sem a coleira. Um animal sem microchip pode ter sido entretanto recolhido por alguém que lhe pôs microchip, e um animal com microchip pode ser considerado como não tendo identificação apenas por o microchip não ter sido detectado pelo leitor (acontece com alguma frequência) ou até mesmo por o microchip ter sido retirado por pessoas mal-intencionadas. Da mesma forma, um animal pode mudar bastante de aspecto com o passar do tempo e com a ausência de cuidados, pelo que é importante verificar pessoalmente uma pista sempre que possível.
  • Prepare um "tapete de boas-vindas"! Se tal for viável, coloque artigos com odor forte à porta/janela de casa para atrair o seu cão, tais como peças de roupa suja. Peúgas suadas e fatos de treino são atractivos excelentes. Se possível, coloque também no exterior o "ninho" e os brinquedos preferidos do seu cão. Deixe o portão aberto, se daí não advier perigo.
  • Regresse ao local de desaparecimento! Se o seu cão tiver desaparecido longe de casa, volte com frequência ao local em que desapareceu. Após algum tempo, há cães que regressam ao local onde se perderam, pois esse local é a sua última referência.
  • Notifique clínicas veterinárias e bases de dados de microchips! Telefone para as clínicas veterinárias da sua zona para saber se o seu cão terá sido recebido para tratamento ou verificação de existência de microchip. Deixe um folheto com fotografia nas clínicas veterinárias de todo o concelho e, com o passar do tempo, dos concelhos adjacentes (pesquise os contactos no site das Páginas Amarelas). Se o seu cão tiver microchip, notifique a entidade da base de dados pertinente: SIRA ou SICAFE. Certifique-se de que as informações de contacto estão actualizadas. Não deixe também de consultar regularmente a lista de microchips não registados no SICAFE, de responsabilidade da DGV.
  • Cão Num CanilDesloque-se aos canis municipais! Visite regularmente os canis municipais mais próximos. Não basta telefonar, tem de ir ver por si próprio. Lembre-se de que a sua descrição do seu cão e a descrição de outras pessoas nem sempre coincide. Por outro lado, infelizmente, há funcionários pouco sensíveis e pouco cooperantes que se apressam a informar (incorrectamente) que não existe no canil nenhum animal com as características indicadas. Ligando para os contactos gerais das câmaras municipais, poderá obter a localização dos respectivos canis. Se o seu cão não estiver no canil municipal, informe-se sobre quanto tempo cada canil mantém os animais antes de os colocar para adopção ou de os abater. Por lei, os canis municipais devem aguardar 8 dias antes de abater um animal, mas este prazo mínimo nem sempre é respeitado. Peça a ajuda de amigos ou familiares para visitarem os canis à vez.
  • Contacte as associações de protecção mais próximas! Informe-se sobre quais as associações de protecção aos animais da sua zona e notifique-as (veja aqui uma lista de associações a actuar em Portugal). Se tiver adoptado o seu cão numa associação, informe-a o quanto antes acerca do desaparecimento, para que os voluntários da associação também possam ajudar na procura.
  • Notifique a polícia se o seu animal tiver sido raptado! Apresente uma "queixa-crime por furto" na Esquadra da PSP ou Posto da GNR mais próximo, para que o caso siga para o Ministério Público.
  • Contacte equipas de estrada! Descubra se o seu cão foi morto na estrada. Trata-se de uma tarefa triste, mas necessária. Caso contrário, poderá nunca saber o que aconteceu ao seu animal. Entre diariamente em contacto com as equipas que recolhem animais das ruas e estradas da sua área de residência (contacte a sua Câmara Municipal para que lhe indiquem como poderá obter essa informação). Poderá também contactar a delegação regional da Estradas de Portugal do seu distrito (veja aqui os contactos das delegações regionais de todos os distritos) ou utilizar o número azul 808 210 000 (Estrada Livre) para tentar obter essa informação.
  • Publicite o desaparecimento! Se possível, anuncie também o desaparecimento do seu cão em jornais e estações de rádio locais. Pode colocar um anúncio na edição de domingo, bem como durante a semana.
  • Tenha cuidado com pessoas mal-intencionadas e fraudes! Evite encontrar-se sozinho com alguém que afirme ter encontrado o seu animal. Leve um ou dois amigos consigo e marque um encontro num local público. Da mesma forma, evite andar sozinho à procura do seu animal, particularmente em locais que não lhe sejam familiares. Não convide ninguém para entrar em sua casa, a menos que conheça bem essa pessoa. Não divulgue o seu número de porta e opte por um número de contacto móvel. Quando falar com um desconhecido que afirme ter encontrado o seu animal, peça-lhe que descreva o animal com exactidão antes de lhe fornecer qualquer outra informação. Se o desconhecido não incluir a tal característica identificadora que ocultou, é provável que, afinal, não tenha o seu animal. Tenha cuidado redobrado com pessoas que insistam em receber antecipadamente dinheiro por eventuais despesas veterinárias, danos causados ou outro tipo de encargos. Não faça nenhum pagamento antecipado. Se alguém lhe ligar a pedir dinheiro em troca da devolução do seu animal ou para evitar que o seu animal seja abatido pelo canil municipal, por exemplo, trata-se de uma tentativa de burla. Nenhum canil municipal nem nenhuma pessoa honesta faria este tipo de chantagem. Não vá na conversa e denuncie o burlão às autoridades (PSP ou GNR), certificando-se de que lhe é entregue uma cópia da queixa. Lembre-se também de que informação privada como um número de microchip ou a inscrição de uma anilha ou tatuagem nunca deve ser divulgada publicamente. Este tipo de informação confidencial pode ser usada por pessoas mal-intencionadas para se fazerem passar pelos responsáveis legítimos de um animal e, por outro lado, pode ser útil para verificar a autenticidade de contactos de pessoas que afirmem ter um animal desaparecido em sua posse. Para descartar eventuais correspondências, deverá ser indicada apenas a terminação do número, por exemplo.
  • Não desista! Há casos de cães que estiveram desaparecidos durante meses e que acabaram por ser encontrados. Insista na substituição de folhetos danificados e contacte regularmente as clínicas veterinárias do distrito do local de desaparecimento (e, eventualmente, distritos adjacentes). Na eventualidade de o seu cão ter sido recolhido por alguém, as probabilidades de ir a uma clínica veterinária são altas. Por outro lado, quem sabe se a divulgação não chega a alguém que possa ajudar e que não tivesse tido conhecimento do sucedido aquando de divulgações anteriores?

Depois de encontrar o seu cão, deverá dar o seu anúncio em Encontra-me.org como “Resolvido”, recolher os folhetos que afixou e informar as pessoas que o auxiliaram, inclusive clínicas veterinárias e canis municipais. Para evitar que esta situação traumática para o seu cão e para si volte a ocorrer, siga as recomendações para Evitar Que Um Animal Desapareça.

Sugestões da Comunidade

Clique aqui para ler também algumas sugestões da comunidade.

beatriz: NÃO DESISTAM! Há animais encontrados passados meses, anos! COLEM MILHARES DE PANFLETOS PELA CIDADE INTEIRA, DISTRIBUAM MESMO MUITOS. Ele pode estar em qualquer lado da cidade ou já fora dela. Colem cartazes em locais estratégicos, que tenham muita gente (entradas de cafés, de supermercados, de igrejas, de talhos, de correios, de escolas, de tribunais, de cemitérios (o Janeco esteve 15 dias a viver dentro do cemitério até que o coveiro viu um cartaz). Só assim se consegue encontrar um gato/cão perdido. Digo por experiência própria! Alguém se cruza, em algum momento, com o animal. E vendo o cartaz, ligam para o contacto. Procurem e afixem cartazes também em bairros, praias, parques, jardins, descampados. Eu não desisti do Preto e encontrei-o, não desisti da Fuskie e a família encontrou-a (anúncio 5250). O Janeco (anúncio 4979) também foi encontrado graças aos cartazes na rua bem como a Patusca (anúncio 6010) ou a Laura e muitos outros. Peçam na rádio local para anunciar. Há rádios que têm programas próprios. No Grande Porto, existe a Rádio Festival , 225 370 177/ Fax 225 370 427. O Preto apareceu graças à Radio Festival (anúncio 4662). Ligue para os programas da manhã das televisões, como o Você na Tv. Envie um email com foto para a TVI, eles passam o anúncio: Vocenatv@tvi.pt, telef. 214 347 500. Há imensa gente a ver esses programas (veja o anúncio 6181). Não se esqueçam NUNCA dos canis municipais (que devem ser visitados e devem pedir para ver os cães que lá estão bem como pedir a lista dos animais que deram entrada já cadáveres), dos veterinários e das associações de animais. Se puderem, coloquem anúncio com foto no jornal (ex. Jornal de Notícias; ao fim-de-semana paga-se, mas creio que na Página do Leitor a certos dias da semana é grátis). Espalhem o apelo via Facebook e em sites de classificados.

Motodep: Se tiver chip, ligue urgentemente para as duas bases de dados nacionais (SICAFE e SIRA) a comunicar o desaparecimento e a actualizar os dados (se for o caso). Isto é muito importante se o animal der entrada no canil ou se for levado a um veterinário por alguém que o encontre. Informe os seus vizinhos de que o animal desapareceu, aposte na divulgação com muitos folhetos, que poderão ser impressos aqui no site (clique em Folheto por baixo da foto para imprimir) e distribua/afixe pelos locais com mais visibilidade (cafés, GNR/PSP, multibancos, veterinários, paragens de autocarro, escolas, bombas de gasolina, mercados, no seu veículo, etc.). Divulgue também por e-mail e no Facebook. Vá pessoalmente com regularidade ao canil municipal e nunca confie nas informações telefónicas. Chegam a estar lá animais com chip... Faça tudo o que estiver ao seu alcance para recuperar o animal. Pode demorar, mas nunca desista. Ele faria o mesmo por si. Boa sorte.

mdp: Já foram aos canis? Ele pode ter ido ao cheiro de alguma cadela com cio. Esteja atento a relatos de matilhas na zona porque entretanto pode ter-se juntado a alguma. Veja bem nas valetas, silvados, poços que possa haver, etc. Fale com todas as pessoas com que se cruzar. Há quase sempre alguém que viu alguma coisa. Quando o encontrar, tente esteriliza-lo (peça referências de vets às associações da zona) e por favor não o deixe mais sair sozinho, muito menos sem estar esterilizado. Além dos perigos habituais que corre na rua, os cios das cadelas são grande incentivo para fugirem e depois desnorteiam-se e podem ter brigas feias com outros machos. Fora que acaba sempre mal para as cadelas de rua, que depois têm de tratar sozinhas de ninhadas esqueléticas com muito sofrimento! Não desista nunca de o procurar. Ele precisa de ajuda! Boa sorte.

ANGELS: Se tiver chip, ligue com urgência para as duas bases de dados nacionais a dar parte do seu desaparecimento - SICAFE e SIRA. Avise as autoridades, é sempre uma mais valia. Falar com todos os vizinhos e com todas as pessoas, pôr folhetos em todos os locais públicos. Um truque é cortar uma peça de roupa usada pela pessoa de quem ele mais gosta, cortar em quadrados pequenos e, antes de largar no chão, esfregar no pescoço e pulsos. Depositar esses pedaços numa área alargada, formando um grande círculo e ir falando com as pessoas. Faça abordagem porta a porta, fale com as pessoas. Pode ter sido recolhido e quem o tem não sabe que está perdido. Faça isto quando tiver uma pista ou for fazer busca no terreno. Detenha-se sempre algum tempo em cada local falando com as pessoas, colocando folhetos. Se estiver de chuva, coloque os folhetos dentro de micas e vire ao contrário, ficando a abertura da mica para baixo, e cole com fita larga em todos os locais visíveis e de destaque. Peça a comerciantes para colocarem nos seus estabelecimentos. Força, estas primeiras horas são importantes antes que se afaste muito. Avisar também as clínicas veterinárias da zona. Vá pessoalmente ao canil todas as semanas pelo menos e veja os animais. Coloque inúmeros folhetos em todos os locais públicos. Contacte as associações locais e peça para porem o apelo nas suas páginas. Os voluntários estão atentos. Contacte todas as pet shops do concelho. Não perca a esperança, mas tem de fazer a sua parte. Lute por ele, vai aparecer. Boa sorte.

papoilita: Envio-lhe uma compilação de dicas e links que espero que ajudem. http://papoilas.no.sapo.pt/dicas animais.doc Muita sorte*

natalinacoelho: Dê parte do desaparecimento na esquadra da PSP e/ou GNR e deixe folhetos. Fale com os seus vizinhos, carteiros, varredores, homens da recolha de lixo, saneamento, bombeiros, veterinários, pet-shops e restante comércio, feiras, supermercados, restaurantes, paragens de autocarro, estações de comboio, concessionários de auto-estradas, bombas de gasolina. Procure em praias, matas, parques e jardins, ribeiras, poços e tanques, "bairros e acampamentos", etc. Deixe folhetos em todo o lado. Distribua folhetos a pessoas que passeiam cães, e não só. Vá com frequência ao canil do concelho e dos concelhos vizinhos. Deixe folhetos e veja todos os cães. Não confie em informações verbais. Peça ajuda a associações da zona. Cole muitos, mas mesmo muitos folhetos. Boa sorte e não desista.

JoãoSarib: Vá ao canil municipal, pessoalmente, caso não apareça em breve. Se tiver chip, ligue com urgência para as duas bases de dados nacionais a dar parte do seu desaparecimento: SICAFE e SIRA. Espalhe o desaparecimento pelo maior número de pessoas com que se cruzar. Alerte o canil municipal, associações e clínicas veterinárias da zona. Aposte na divulgação distribuindo folhetos que poderão ser impressos aqui no site (clique em Folheto por baixo da foto para imprimir). Uma imagem vale por 1000 palavras. Espalhe muitos por todo o lado ou meta na caixa do correio, multibancos, paragens de transportes, comércio, CTT, quiosques, bombas de gasolina, portagens, GNR/PSP, mercados, esplanadas, praias, locais onde registem euromilhões, etc. Distribua a varredores de rua, carteiros, transeuntes, lojistas, polícias. Coloque dentro de micas/bolsas de catálogo A4 viradas para baixo por causa da chuva e depois com fita-cola larga transparente fixe-as bem à volta dos postes e das árvores e outros locais. Aposte na divulgação nas esquadras da policia (carros patrulha podem avistá-lo), ao pé das praças de táxis, gasolineiras, cafés com grande movimento, etc. Se tiver outro cão , que reconheça bem o cheiro do seu, leve-o consigo nas buscas! Leve uma peça de roupa sua/manta dele e cujo cheiro lhe seja familiar. Eles têm faro. Leve se puder uma comida cheirosinha (frango assado) ou outra de que ele goste! Esteja atento à Base de Dados de Animais Encontrados deste site, desde essa data. Pode estar lá divulgado ou vir a sê-lo posteriormente. Divulgue no Facebook e nas associações do distrito começando pelas do concelho e arredores. Aceda aos respectivos sites, clicando em www.encontra-me.org/lista_associacoes/. Esteja atento aos sites de anúncios de classificados, onde pode aparecer à venda, como já vimos o caso de uma família que foi encontrar lá para venda a sua cadelinha. Valeu a sua rápida intervenção. Atenção também aos bairros sociais problemáticos perto daí. Se suspeita de rapto, faça uma queixa na esquadra mais próxima. Contacte as rádios locais sobretudo as mais próximas. Solicite a respectiva colaboração para divulgarem este caso.